JHSF divulga informações incompletas na mídia

O empreendimento está sub judice, pendente de decisão, dentre outras, quanto à suspensão da eficácia das licenças ambientais. More »

Justiça suspende início das obras do aeroporto de São Roque

Embargo inclui também as obras do centro comercial do empreendimento. Em nota, JHSF diz que apresentará recurso para suspensão do embargo. More »

Construção de aeroporto em São Roque vira motivo de imbróglio judicial

Em julho de 2013, depois de vistorias, tanto a Cetesb quanto a Polícia Ambiental apontaram haver irregularidades nas obras do shopping e no terreno do futuro aeroporto. Por falta de licença, por manejo de eucalipto e corte de mata nativa, os empreendedores receberam uma multa de R$ 5 milhões e tiveram a obra interditada. More »

 

Manifestação contra o uso do dinheiro do FGTS no Aeroporto Catarina

1088

Hoje, aproveitando o alto movimento de tráfego na Rodovia Castelo Branco sentido São Paulo, cerca de 50 pessoas se reuniram no KM 68 para protestar contra o “possível” empréstimo do BNDES, com recursos do Fundo de Investimento do FGTS, para a construção do Aeroporto Executivo Catarina, empreendimento da construtora JHSF, que se encontra sub judice e está localizado no KM 60 desta mesma rodovia.

Grupo composto por lideranças de comunidades vizinhas às obras do Aeroporto Catarina, como do bairro do Saboó, Restinga Verde, Dona Catarina, Ninho do Condor e Porta do Sol, esticaram uma grande faixa no Viaduto, com os dizeres: “BNDES + FGTS FINANCIAM CRIME AMBIENTAL – 390 MILHÕES – AEROPORTO CATARINA”.

A expectativa é que mais de 45 mil pessoas tenham passado pelo local!

Considerando o cenário Brasil, os manifestantes questionam a possibilidade do FI-FGTS decidir aprovar o empréstimo de 390 milhões de reais do fundo dos trabalhadores (dinheiro do trabalhador) para financiar uma obra privada de interesse de poucos, e sem nenhum cunho social.

Entenda a manifestação:

Em um momento de grande dificuldade econômica pela qual passa o nosso país, obras de infraestrutura são bem-vindas, pois, além do benefício econômico imediato pela execução da obra em si, traz benefícios por longo prazo, graças à natureza do investimento. Enquadram-se nesta categoria obras como rodovias, ferrovias, metrôs, aeroportos, entre outros. Entretanto, o Aeroporto Catarina não se enquadra neste perfil, visto que é destinado à aviação executiva, aviões e helicópteros particulares que transportam alguns poucos afortunados. E ainda, o empreendimento encontra-se em meio a um processo jurídico envolvendo, entre outras irregularidades, a acusação de CRIME AMBIENTAL.

Ou seja, o BNDES que tem entre seus propósitos, além de fomentar a economia, promover o desenvolvimento social, poderá disponibilizar recursos do Fundo de Garantia dos trabalhadores brasileiros para a execução de uma obra com retorno social nulo? Ou melhor, negativo, pois trará grande impacto ambiental para a região em que está sendo construído: uma região envolta por MATA ATLÂNTICA e remanescentes de CERRADO no município de SÃO ROQUE – SP, com uma grande diversidade biológica.

E enquanto isto, projetos de cunho social como o “Minha Casa Minha Vida” recebem corte de mais de 40% de seu orçamento, por exemplo, entre outras infinitas obras de melhorias sociais que aguardam investimento.

A pergunta que não quer calar: Em tempos de Petrolão e Lava Jato, o Governo vai insistir em patrocinar uma Empreiteira, cuja obra não possui nenhum cunho social?

A reunião do conselho gestor que decidirá sobre a aprovação ou negação do recurso do FGTS ocorrerá no próximo dia 15 de julho, quarta feira. Antes desta data, o grupo está tentando alertar o maior número de canais de comunicação possíveis, tentando reverter este cenário.

Participe!

Saiba mais em:

1102

Dinheiro do FGTS para apoiar empreendimento que comete crime ambiental?

 

 

caixa-preta-BNDES

No próximo dia 15/7 ocorrerá a reunião do Fundo de Investimento do FGTS, que definirá quais projetos receberão aporte financeiro deste fundo, via BNDES.

Na lista dos projetos interessados encontra-se R$ 390 milhões para a o Aeroporto Privado Catarina, da Construtora JHSF, em São Roque.

Fontes: Estadão e Folha de São Paulo.

Na prática, o FI-FGTS (dinheiro do trabalhador) emprestará dinheiro ao BNDES, que repassará a várias empresas.

Vamos refletir: Neste cenário Brasil, onde as Construtoras estão, em sua grande maioria, envolvidas em esquemas de corrupção com o próprio Governo, como pode este mesmo Governo querer emprestar dinheiro do FGTS para a construção de um Aeroporto Executivo, que só irá atender as pessoas ricas, com seus jatinhos e helicópteros?

E enquanto isto, o projeto Minha Casa Minha Vida sofreu redução de orçamento de mais de 45% do valor? Tem algo errado nesta “prioridade” de destinação do dinheiro $$$, você não acha?

Já é sabido por todos que a JHSF se instalou em São Roque e iniciou as obras sem quaisquer licenças de instalação e ambientais, motivos pelos quais as obras ficaram embargadas pela justiça por mais de 1 ano. Como também, nesta semana, a JHSF teve mais uma obra embargada em SP, pelos mesmos motivos.

Então, concluindo: Temos dinheiro do trabalhador, que “poderá” ser emprestado para a construção de um Aeroporto de uso exclusivo de pessoas ricas, construção esta que foi iniciada sem obter as licenças ambientais e as licenças de instalação, que desmatou parte do Cinturão Verde do Estado de São Paulo, que soterrou mais de 10 nascentes de água, e que irá impactar diretamente a sobrevivência, não só da fauna local, mas também das mais de 10.000 famílias que já moram no entorno do empreendimento?

É importante deixar bem claro que o dinheiro do FGTS não pertence nem ao banco e nem ao governo, e sim, pertence aos trabalhadores, mas estes, até o momento, não decidem como o próprio dinheiro pode ser aplicado!

Leia também: Mais uma caixa-preta do governo, o FI-FGTS

Doações Recebidas – Campanha Eleitoral – Prefeito Daniel da Padaria

 

urna-eletronica

O maior doador da campanha eleitoral do Prefeito Daniel da Padaria, do PMDB, na cidade de São Roque, foi a Construtora JHSF, no valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Clique aqui e veja a lista completa dos doadores.

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral.

Justiça barra condomínio de luxo em área de proteção ambiental em SP

Fonte: Uol Notícias

Débora Nogueira
Do UOL, em São Paulo

Após o flagrante de corte ilegal de árvores e a constatação de que há duas nascentes dentro do terreno onde é construído um condomínio de luxo na zona sul da capital paulista, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a paralisação das obras.

O loteamento Bosque Cidade Jardim, da construtora JHSF, é um loteamento de luxo entre o Shopping Cidade Jardim e o Clube Paineiras do Morumby, no bairro Real Parque. No terreno, há um bosque de 10 mil m² com árvores nativas da Mata Atlântica e alguns exemplares em extinção. Além disso, há as nascentes, que no meio ambiente natural correriam para o rio Pinheiros, não muito distante dali.

Lucro da JHSF cai 92,5% no 1º trimestre, para R$ 1 milhão

São Paulo – A JHSF Participações registrou lucro líquido de R$ 1 milhão no primeiro trimestre de 2015, o que corresponde a uma queda de 92,5% sobre o mesmo período do ano passado, quando o lucro foi de R$ 13,4 milhões.

Lucro líquido da JHSF recua 98,6% no 4º tri, para R$ 2,3 milhões

A JHSF Participações registrou lucro líquido de R$ 2,3 milhões no quarto trimestre de 2014, em queda de 98,6% ante lucro líquido de R$ 169,8 milhões no mesmo trimestre de 2013. O lucro é o atribuível aos sócios da empresa controladora, base para a distribuição de dividendos.

Segundo as demonstrações financeiras consolidadas divulgadas há pouco no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o lucro líquido para o ano inteiro de 2014 ficou em R$ 41,8 milhões, em queda de 86,9% ante o lucro líquido de R$ 319,3 milhões em 2013.

A ficção de hoje pode se tornar a nossa realidade de amanhã!

 

Recebemos esta contribuição de um novo colega, e vamos publicar na íntegra, omitindo apenas os dados pessoais dele. Este vídeo possui um paralelo entre a realidade e a ficção, mas com certeza promove uma reflexão que pode mudar a sua forma de olhar as coisas. Vale a pena assistir, apenas 4 minutos!

Lucro líquido da JHSF recua 43,8% no 3º tri, para R$ 14,2 milhões

A JHSF Participações registrou lucro líquido de R$ 14,2 milhões no terceiro trimestre deste ano, em baixa de 43,8% sobre o lucro líquido de R$ 25,3 milhões apurados no terceiro trimestre do ano passado. O resultado é o atribuído aos sócios da empresa controladora, base para a distribuição de dividendos.

Segundo as demonstrações financeiras consolidadas divulgadas nesta quinta-feira no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a receita líquida da companhia ficou em R$ 160,1 milhões no terceiro trimestre, ante R$ 188,8 milhões no mesmo período do ano passado, uma queda de 15,2%.

JHSF retoma obras do Outlet e Corporate Center, mas novos embargos podem acontecer

A JHSF retomou, em Maio, as obras do Fashion Outlet e do Catarina Corporate Center.

As obras foram embargadas em agosto do ano passado por conta de uma medida cautelar de iniciativa da Associação de Proprietários e Amigos da Porta do Sol (Apaps), residencial vizinho, que representam ainda os moradores do Residencial Restinga Verde, os moradores da área de preservação ambiental Morro do Saboó, bem como os moradores do entorno, totalizando mais de 10.000 famílias que hoje moram no entorno de onde pretende-se construir um Aeroporto Executivo.

Os Foras da Lei!

A gestão pública ambiental no nosso país tem caminhado de maneira descompassada no que diz respeito à produção de leis e à efetiva aplicação destas.

No campo legal, o nosso país evoluiu muito nas últimas décadas, produzindo um dos mais completos arcabouços legais nessa área; por outro lado, a sociedade tem sentido muito pouco os resultados práticos destas leis, graças à incapacidade dos entes federativos em aplicá-las.